"Ninguém cruza nosso caminho por acaso e nós não entramos na vida de alguém sem nenhuma razão."
Chico Xavier (in, Diálogos Lusófonos)

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Pedro Du Bois: Três Poemas



Último Livro de Pedro Du Bois


ALVOS

almejo a vida: alvejo
                       a caça

descanso sob a árvore
a ser derrubada

no ar a sensação
da perda

          apedrejo a vidraça
          e em cacos
          reflito
          ao dia: vida
                     condensada
                     em alvos
                     inatingíveis.
 



VIVER

Acordado.
Assustado.
Condenado: o barulho
                     nos aparelhos
                             (a eletricidade
                              é fonte: enérgica
                              mão sobre o rosto).

Revejo o instante em que
a metafísica se faz corpo e mente.

Aparelhos circunscritos
em órgãos no funcionamento
                   do entrelaçamento
                   entre vida
                   e morte.
 



PASSOS

Falo de passos cadenciados
na dança. Dos pares.
                 Digo do peso
                 das botas
                 desfilando
                 forças.

Evito a leveza em sapatilhas
de pés deformados na graça
entranhada em dores e saltos.

                  Conservo a imagem
                  singela da mulher
                  se fazendo eterna:
                              o descompasso
                              como tema.
 
(Pedro Du Bois, inéditos)

2 comentários:

Pedro Du Bois disse...

Caro Luis,
como sempre, gratíssimo pelo destaque. Abraços. Pedro

luis santos disse...


Caro Pedro, grande abraço.